quarta-feira, 10 de setembro de 2008

DJs usam sensualidade para bombar festas

No competitivo mercado da música eletrônica, não basta ser top DJ. Tem que ousar um bocadinho mais e ser topless. É assim hoje, pelo menos em países do Leste Europeu - especialmente Rússia e Hungria -, na Holanda e em alguns pontos dos Estados Unidos, nos quais a febre de DJs mulheres de vocação porn pegou geral. Diluindo as fronteiras entre o burlesco e o gostoso, elas não tem vergonha de encurtar a calcinha, subir o sutiã e rasgar o espartilho em frente aos toca-discos... A mania chegou também à Itália, com a DJ Titty T (foto) como sua principal representante. A moça já era DJ quando perdeu seu top em um momento mais eufórico do set... A pista curtiu tanto que Titty T. resolveu tornar a nudez uma tradição em seus sets. E ela não é a única: conheça, a seguir, as DJs mais tesudas do planeta.
Colleen Shannon - DJ tesuda das celebridades, a americana foi coelhinha da Playboy em 2004. Na festa de 50 anos da revista, a gostosa foi escolhida para esquentar a pista da dança do hypado club Spin, nos EUA. Em 2005, fez uma ponta no filme Marcados para morrer, também como DJ. Em 2006, participou do reality show Love Island, do canal norte-americano ITV. Ainda em 2008, vai aparecer como atriz no filme The Passing, a estrear. Que design, né? Baba, baby.
DJ Diva - "A música é para os ouvidos, mas os olhos precisam de algo mais". Este é o lema da DJ Diva, da Holanda. Logo em sua estréia em uma casa noturna de Amsterdã, a bela sentiu muito calor e, como outras mulheres que, na pista, já faziam topless, resolveu tirar tudo de vez. Desde então, passou a abraçar um clima erótico em todos os seus sets. E não pára por aí: ela até já pulou de pára-quedas em uma praia nos Países Baixos com os peitinhos de fora! Quanto talento, hein?
DJ Benzina - Não, a gostosa não tem nada a ver com o projeto de música eletrônica encabeçado por Edgard Scandurra (ex-Ira!) em 2003. Uma das pérolas da agência de DJs tesudas russas Girl DJs, Benzina chama atenção pela comissão de frente. Quando ela não está nos toca-discos, adora andar de moto (ouvi alguém gritar Cinthia Santos?) e dar pinta na MTV Russa. Acelera, Benzina!
Portia Surreal - Uma das pioneiras da discotecagem erótica, Portia é a DJ mais famosa do gênero no Brasil. Já tocou inúmeras vezes em nosso País, em particular na região sul. Bailarina desde os cinco anos, a ninfeta reside em Nova York e curte misturar house e batidas quebradas. E isso no peitinho esquerdo? É um fone ou um estetoscópio? Fetiche total!
DVJ Bazuka - A russa se apresenta como primeira DVJ do mundo, o que quer dizer que é precursora da sincronia eletrônica entre música e imagem entre as mulheres. Sempre de quepe, lembra um Mr. Bison, do jogo Street Fighter, em versão feminina. Bazuka se define como "sextravagante" e adora mostrar uma estética sadomasô em seus vídeos. Seu maior sucesso é What can be better than sex? ["O que pode ser melhor que sexo?"]. Abalou Moscou.
Niki Belucci- Ex-atriz pornô, a húngara adora deixar os mamilos respirarem durante a discotecagem. Colecionou medalhas como ginasta em torneios no leste europeu durante a adolescência, o que sugere que deve ter uma flexibilidade incrível. Tentou emplacar trampando em bufês, como vendedora de lingerie, como modelo fotográfica de temas eróticos... Nada virou; tudo é coisa do passado. A onda agora é botar som pelada!
DJane Affecta - Mais uma ninfetinha da terra das matrioshkas e também parte da agência Girl DJs, Affecta acaba de fazer um ensaio sensual para a Playboy da Estônia. Repare na tatuagem de florzinha em posição estratégica. É mole? Não! É duro!
Penelope Tuesdae - Americana de Seattle, Penelope é republicana, já posou para a Playboy americana e declarou em entrevista que ama ficar nua, ganhar grana, viver no meio rock e que adoraria comprar um caminhão. Decidiu ser DJ depois de namorar muitos profissionais da área e de perceber que estava pobre. É também vocalista da banda hollywoodiana Vexy Strut e fã de grupos como Guns n' Roses, AC/DC e The Runaways.
DJ Belena - Mais uma topless convicta. A ucraniana da cidade de Yalta é modelo e dançarina desde os 15 anos. Após entrar para uma escola de DJs, se especializou em duas vertentes musicais: o electro-house e o que ela chama de "vandalismo retrô" (?), uma seleção baseada em sucessos das décadas de 1980 e 90. Foi fotografada por John Kell para a revista Penthouse da Holanda. Na edição de setembro de 2008 da Playboy dos Estados Unidos, ela deu algumas dicas musicais: Armand van Helden, Junior Caldera, Colette... Mas, para ela, um set não pode ser completo sem um bom topless...
DJ Saynha - E a gente ainda precisa se despir um pouquinho mais para chegar no grau das DJs gostosas gringas, mas não fica tão atrás assim. DJ Saynha, de Belém do Pará, é prata da casa e a primeira DJ carbono neutro do país. Fora que toca de biquíni e já arrasou em um ensaio sensual para a revista VIP. Mulher Açaí dos toca-discos!

Fonte: Virgula/Terra

Nenhum comentário: