sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Festival de Musica da Bahia : Primeira noite é marcada por grandes interpretações


Conversar, passar a música, ficar ao lado da família. Valeu qualquer técnica para se livrar da ansiedade da estréia. Antes de subir ao palco algumas orientações da coordenação. Depois, foi hora de afinar os instrumentos e aquecer a voz para começar a encantar o público que foi conferir a primeira noite de eliminatórias da VI Edição Nacional do Festival de Música da Bahia, nesta quinta-feira, 25.

As apresentações tiveram início com o baiano de Ubaíra, Gilton Della Cella, com a canção, que narrava a história de um “Viajante Sonhador”. Em seguida, foi a vez de Geci Brito, interpretando “Ana Arranha Céu”, emocionar a platéia. A “Batida” da guitarra de Ito Moreno, terceiro a se apresentar, entusiasmou as pessoas.

A seguir, Maviael Melo trouxe, com a música “Pergunte a você”, a leveza dos acordes de um violino, e, com ela um desejo. “Quer saber o que eu quero? Pergunte ao luar. Eu quero ter a sinceridade de uma criança”. Bilora, ao lado de Cláudia Lima, relevou os traços da cultura regional com a canção “Guaiana”.

Mudando totalmente o estilo, Marinho San trouxe o sambalanço, o samba bom “Efeito Estufa” para animar o público, e Papalo Monteiro, o som da sanfona ao interpretar “Tô de bem, tô de mal”. Com o ritmo característico da MPB, Renato Rivas cantou “Faz de Conta”, e abriu espaço para Hélio Braz, que defendeu “Pindoráfrica".

As três últimas apresentações fizeram o público conhecer a voz e a interpretação ímpar de Mongol, com a composição "Saudade de você", a "Manhã Serena" de Diorgem Júnior e o ritmo da batida afro dos meninos da Banda Afrogroove, com suas "Inspirações Quilombolas".

Diante de tanta qualidade, a equipe de jurados composta por músicos e compositores, teve a díficil missão de escolher apenas seis candidatos. Foram eles: Mongol, Ito Moreno, Papalo Monteiro, Bilora, Marinho San e Geci Brito.

De acordo com Papalo Monteiro, o festival é um misto de ansiedade e alegria, pois "vivemos a expectativa de ser um dos 24 escolhidos, e, depois a felicidade de poder estar entre os finalistas da competição". Encerrando a noite, o show que fez o público, ao final aplaudir de pé. Toninho Horta, cantando grandes sucessos da sua carreira e com participações especiais da cantora Carla Villar e do violinista Rudi Berger, maravilhou o público.

Hoje, tem mais. Outros 12 semifinalistas, às 20h sobem ao palco do Centro de Cultura Camillo de Jesus Lima para defender as suas composições. São eles: o grupo Brincando de Cordas, com "Sonhando Acordado"; Danny Rocha, com "Como dizia Caymi"; Gustavo Dall'Aqua, com "Girou, Febril"; Dimi Zumquê, com "O Capoeira"; Paulo Macedo, com "Mandaréu; Zebeto Corrêa, com "Amores - A Canção"; Eduardo Santhana, com "Milagreiro"; Edílson Dhio, com "Florespinho"; Vytória Rudan, com "Como Dolores Duran"; Paulo Monarco, com "Malabares com Farinha"; Enrico Di Miceli, com "A beleza da arte que emana"; e Walter Dias, com "Meu Jardim Brasileiro". O show de encerramento desta noite, fica por conta de Xangai e tem início a partir das 22 horas.

O Festival de Música da Bahia é uma iniciativa do Movimento Artístico e Cultural de Vitória da Conquista (MAC), em parceria com a Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) e com a Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista. O patrocínio é da Petrobras.

Nenhum comentário: