sexta-feira, 26 de setembro de 2008

iPhone passa a ser vendido hoje no Brasil

O iPhone 3G, telefone celular da Apple, começa a ser vendido hoje no Brasil pelas operadoras Claro e Vivo. A Claro coloca dois modelos no mercado com preços que variam entre R$ 1.000 e R$ 2.599. Já a Vivo oferece os mesmos aparelhos por preços a partir de R$ 899, até R$ 2.199. A expectativa de ambas as operadoras é que a procura pelo produto seja grande nos próximos dias.

Com a reunião das funções de iPod, câmera digital e acesso à internet, o iPhone é um sucesso de vendas mundial. Em ambas as operadoras brasileiras, o custo do aparelho é maior que nos Estados Unidos, de US$ 199 a US$ 299 (R$ 360 a R$ 540). Claro e Vivo alegam que a diferença de preços em comparação com o exterior é resultado dos impostos de importação do celular, de cerca de 44%.

"É basicamente o mesmo preço dos EUA mais impostos cobrados no Brasil", disse o presidente da Claro, João Cox. Para driblar o preço maior que o do exterior e que o do concorrente no mercado interno, Cox aposta no aumento do prazo de pagamento. Uma parceria da Claro com a American Express permitirá que os clientes comprem o iPhone em até 24 vezes no cartão de crédito -a partir de R$ 41,67 mensais.

Já a Vivo aposta nos preços mais baixos e na fidelização dos clientes para superar a concorrência na venda de iPhones, afirma o diretor regional da Vivo, Carlos Cipriano. Segundo ele, os clientes poderão utilizar o sistema de pontos da Vivo para comprar o iPhone. "Com os pontos, o preço pode cair para R$ 600. E há até uma parcela de clientes com muitos pontos acumulados que poderá retirar o aparelho de graça."

Com 30 mil aparelhos à venda no primeiro lote, a Claro já espera que o estoque se esgote em "questão de dias". Segundo o presidente da empresa, a maioria dos aparelhos será vendida pelo sistema de televendas a clientes que se cadastraram no site da empresa para receber informações sobre o iPhone a partir de 11 de junho. Ele não quis divulgar o total de interessados, mas informou que apenas na primeira semana cerca de 100 mil pessoas se cadastraram. No entanto, os clientes não cadastrados poderão adquirir o aparelho em 25 lojas próprias da Claro até que o estoque acabe.

Já a Vivo encomendou um primeiro lote de 200 mil aparelhos da Apple, que receberá de forma parcelada. Apenas os clientes da operadora que se cadastrarem no site poderão comprar o produto. Cipriano não informou o número de cadastros até o momento, mas disse que são "algumas dezenas de milhares".

O diretor da Vivo espera que o volume seja suficiente para atender a demanda neste ano, inclusive as vendas de Natal. No entanto, ressalta que a Vivo pode fazer novos pedidos para o período se perceber que a quantidade não é suficiente.

iPhone importado

Mesmo antes do início das vendas do iPhone no país, o uso do aparelho já pode ser medido. Segundo dados da consultoria Predicta, mais da metade dos acessos à internet via celular foi realizado por iPhones em agosto --196 mil de 385 mil.

A Claro e a Vivo informaram que os clientes que já possuem iPhone poderão aderir aos seus planos. Mesmo com a carta-branca das operadoras brasileiras e com os preços mais baixos no exterior, o analista de Telecom da IDC Brasil, Vinícius Caetano, disse que os usuários devem ter cuidado para comprar o iPhone fora do país. "Antes você comprava na loja [no exterior] e ativava em casa. Agora você compra por US$ 199, mas tem que pagar uma multa de US$ 200 para se livrar do contrato de fidelidade."

Para ele, a venda do iPhone no Brasil deve aumentar ainda mais o uso da banda larga móvel. "A grande inovação do produto foi trazer os "smartphones" [celulares com acesso a internet] do usuário corporativo para o pessoal."

Por Marina Gazzoni/Folha

Nenhum comentário: