sábado, 28 de fevereiro de 2009

U2 relembra Beatles e faz show surpresa em terraço de Londres



Relembrando uma histórica apresentação dos Beatles há 40 anos, a banda de rock irlandesa U2 surpreendeu hoje quem passava pelo centro de Londres com um inusitado show no terraço de um prédio, levando ao delírio cerca de 5.000 pessoas.

O U2 subiu ao telhado de um dos prédios da BBC, onde estavam para divulgar o álbum "No Line On The Horizon", que foi lançado recentemente na Irlanda.

A apresentação da banda irlandesa durou aproximadamente 20 minutos, nos quais interpretou quatro canções: duas do novo álbum ("Get On Your Boots" e "Magnificent") e duas de seus maiores hits ("Beautiful Day" e "Vertigo").

Uma multidão se reuniu em frente ao prédio da BBC, especialmente porque os fãs do U2 ficaram sabendo anteriormente que o show aconteceria pela Internet.

"Esta é uma grande honra. É a primeira vez que apresentamos as músicas do último álbum", disse o vocalista Bono.

A polícia foi obrigada a bloquear a circulação pela região e a desviar o trânsito, enquanto um helicóptero sobrevoava a área do show.

A ideia de Bono e companhia lembrou a mítica apresentação dos Beatles em um terraço, que completou 40 anos no mês passado.

John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr tocaram pela última vez ao vivo no dia 30 de janeiro de 1969, no telhado da sede de seu selo fonográfico, a Apple Records.

Fonte: Agência EFE/Uol

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Kiss promete continuar tocando clássicos

"Essas músicas me fizeram incrivelmente satisfeito e rico e fazem a felicidade de muitas outras pessoas", diz Stanley

O guitarrista do Kiss Paul Stanley afirmou que a banda nunca irá abandonar seus clássicos, apesar dos planos de voltar ao estúdio para trabalhar em novas composições. A banda vem ao Brasil em abril para apresentações em São Paulo e Rio de Janeiro, mas em março planeja começar a preparar um disco de músicas inéditas.

"Tocar os nossos clássicos aumentou a nossa vontade de voltar ao estúdio e transferir aquele mesmo sentimento e ferocidade para um material novo", diz Stanley.

"Eu nunca, nunca iria me cansar das músicas antigas. Essas músicas me fizeram incrivelmente satisfeito e rico e fazem a felicidade de muitas outras pessoas. Seria desrespeito enjoar de algo que significa tanto".

Os shows que o Kiss fará no Brasil são parte da turnê "Alive / 35", excursão que comemora os seus 35 anos de carreira. O baixista e vocalista Gene Simmons e Stanley são os únicos integrantes da formação original que permanecem na banda. Os ingressos para os shows estão à venda pela site Ticketmaster.

Fonte: Igpop

McFly anuncia shows no Brasil em maio em seu MySpace

DVD "McFly - Radio:ACTIVE" já foi lançado no Brasil.
Documentário inclui capítulo com a passagem da banda pelo país em 2008.

A banda inglesa de pop rock McFly anunciou em seu MySpace uma turnê na América Latina em maio de 2009, que inclui sete shows no Brasil. As datas exatas e cidades onde serão realizadas as apresentações ainda não foram divulgadas pela banda.

O McFly tocou em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba em outubro de 2008, em shows lotados. A passagem da banda pelo Brasil está documentada no DVD "McFly – Radio:ACTIVE", que mostra as gravações do último disco do grupo na Austrália e a turnê de 2008.

O DVD, que lançado por aqui em janeiro, é dividido em três partes. A primeira mostra cada momento da gravação de "Radio:ACTIVE", quarto álbum de estúdio do grupo e primeiro pelo seu próprio selo, o Super Records (distribuído no Brasil pela EMI).

Sentados na varanda ensolarada de um hotel, com uma praia paradisíaca ao fundo, os integrantes quatro integrantes do McFly – Danny Jones (guitarra/ voz), Tom Fletcher (guitarra/ voz), Dougie Pointer (baixo) e Harry Judd (bateria) –lembram dos dias no estúdio, enquanto cenas gravadas nos bastidores vão sendo mostradas.

O cotidiano no estúdio pode parecer bastante trabalhoso: muitas partes repetidas, novas idéias, gravações e mais gravações. Mas eles aproveitam a estadia australiana para se divertir, com aulas de paraquedismo e surfe, além do bom e velho companheiro das bandas em estúdio, o tênis de mesa. Além de mostrar as gravações, a banda comenta as canções – como “One for the radio”, que eles dizem ser uma resposta à crítica, que pega no pé da banda apesar do sucesso.

Na estrada

A segunda parte do DVD mostra o passo-a-passo do grupo para a divulgação de “Radio:ACTIVE”. Sessões de fotos, gravações dos clipes de “One for the radio” e “Lies”, apresentação na praia, entrevistas – tudo pontuado pelo show da banda no iTunes Festival, em Londres.

A terceira parte deve ser a mais esperada pelos brasileiros: a passagem do quarteto pelo país, que inclui imagens de um grupo de fãs cantando “Stargirl”, da banda na van sendo perseguida por garotas e do dia a dia dos meninos no hotel, incluindo os shows no Rio de Janeiro e em São Paulo.

O DVD só tem um grande defeito: nada de legendas, nem em inglês.

Fonte: G1

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Obama entrega prêmio a Stevie Wonder na Casa Branca

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, entregou nessa quarta-feira ao cantor e compositor Stevie Wonder o Prêmio Gershwin da Biblioteca do Congresso em reconhecimento a sua obra.

Obama, que disse que as músicas de Wonder marcaram sua juventude, entregou o prêmio ao artista durante uma cerimônia na Casa Branca, em que também foram homenageados Tony Bennett e Martina McBride.

O cantor agradeceu pelo prêmio ressaltando a importância de ter Obama, primeiro presidente negro da história dos EUA, no poder.

"O que emociona é que vivemos um momento em que podemos ver que este país cumpre sua grandeza e que se olha através do amor, do compromisso e do cuidado de um presidente, nosso presidente Barack Obama", disse Wonder.

"Stevie reuniu uma incrível gama de tradições em sua música criando com isso um estilo que foi único e ao mesmo tempo universal", afirmou Obama.

O Prêmio Gershwin, adotado em homenagem aos compositores Ira e George Gershwin, é concedido como homenagem ao trabalho musical de toda uma vida. Em 2007, foi entregue ao também cantor e compositor Paul Simon.

Fonte: Agência EFE/Terra

Música de Victor e Leo chega a rádios americanas

A nova empreitada da dupla sertaneja brasileira Victor e Leo, que acabou de lançar um álbum gravado em espanhol, já começa a dar resultados e os mineiros já conseguiram ter uma música executada nas rádios americanas e de Porto Rico.

O sucesso no Brasil impressionou a matriz da gravadora Sony, que convidou a dupla a cantar em espanhol. O convite deixou os irmãos assustados, segundo contaram Victor e Leo à Agência Efe.

Os mineiros estão em Miami para o trabalho de divulgação de Nada es normal, cuja faixa-título já chegou às rádios estrangeiras.

A dupla, que explodiu com o disco Ao Vivo, contou com o produtor mexicano Aureo Baqueiro no novo trabalho, que também teve a participação do cantor Leonel García, sucesso no México.

Baquero e García ajudaram os mineiros na tradução das músicas de Nada es normal, que tem dez faixas.

Leo definiu o primeiro single como uma canção romântica e muito forte.

"É uma música forte, mas, ao mesmo tempo, doce, só com voz e violão. Ela mostra o que somos", disse à Efe.

Recuerdos de Amor, Amigo appassionato, Mariposas e Sabías são algumas das outras canções que fazem parte do álbum, lançado na última semana.

Victor e Leo formam uma das principais duplas da nova geração e, por vezes, são ligados ao gênero conhecido como sertanejo universitário.

O rótulo, no entanto, foi rejeitado por Victor, para quem os irmãos tem um estilo muito particular.

"Temos um estilo musical muito próprio, que as pessoas não conseguem definir, seja aqui, ou no Brasil. Mas é um folk intuitivo, com toques de romantismo", disse à Efe.

Na entrevista, o cantor também lembrou o início da carreira da dupla, em bares pelo Brasil. E comparou à trajetória ao título do novo trabalho.

"Este disco não se chama Nada es normal à toa. No Brasil, cantávamos na noite, em bares. Fomos crescendo pouco a pouco, mas ainda éramos desconhecidos", afirmou à Efe.

Para Leo, seu avô foi uma das grandes influências da dupla.

"Nosso avô Antônio foi uma influência muito grande, não só em nossas carreiras. Ele ouvia canções que nos emocionam até hoje," indicou Leo.

Fonte: Agência EFE/Terra

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Encontro dos trios encerra carnaval em clima de Copa do Mundo 2014



Carlinhos Brown, Olodum, Timbalada e Ivete Sangalo cantam juntos na Ondina.
Eles celebram clima para os jogos do mundial de futebol no Brasil.

O tradicional encontro dos trios na quarta-feira de Cinzas, em Salvador, encerrou o carnaval baiano em clima da Copa do Mundo 2014.

"Os tambores tocam pela Copa do Mundo. Esse foi um carnaval de alegria e respeito e vai ser assim na Copa do Mundo no Brasil e em Salvador", disse Brown.

O Camarote Andante saiu ddo Farol da Barra às 10h desta quarta-feira (25) e levou uma multidão até a Ondina, onde chegou às 11h25.

Em seguida, o trio do Timbalada desceu a avenida Oceânica e o cantor Denny desceu para cantar no meio dos timbaleiros do Olodum.

Às 12h, Ivete Sangalo chegou cantando "Cadê Dalila?", composição de Carlinhos Brown. "Você é meu Dalilo, meu Dalilouco", disse a cantora ao se despedir do encotro e encerrando o carnaval baiano.

Por Glauco Araújo
Foto: Eduardo Freire
Fonte: G1

Novo disco do U2 aposta em formatos diferenciados

O novo álbum do grupo irlandês U2 será lançado na sexta-feira em cinco formatos e a preços diferentes, em uma estratégia comercial da gravadora para driblar a crise de vendas e atrair com ofertas inovadoras os consumidores.

No Line on the Horizon (Island/Universal) chegará às lojas na sexta-feira na Irlanda, a pátria de Bono e seus companheiros. Na próxima segunda-feira sai na maioria dos outros países do mundo e um dia depois na América do Norte.

No entanto, o álbum, um dos mais aguardados do ano, vazou na rede e pode ser baixado há varios dias na internet, apesar de todas as precauções da Universal.

O disco não foi enviado à imprensa, que teve que se contentar em ouvir no fim de janeiro o CD dentro de áreas da gravadora.

Os jornalistas foram obrigados a entregar aos seguranças os telefones celulares, casacos e mochilas para entrar na Universal e ouvir o álbum.

Poucos dias antes do lançamento no mercado, os jornalistas finalmente receberam o CD. As gravadoras tentam de todas as maneiras evitar a pirataria de seus produtos em uma luta cada vez mais inglória.

Desta vez o vazamento, segundo a revista Forbes, teve origem em um site australiano de propriedade da Universal, que ofereceu durante duas horas o álbum para download remunerado, 10 dias antes do lançamento. Em seguida, a empresa percebeu o erro.

Nos fóruns de discussão dos fãs do U2, os internautas acusaram abertamente a Universal de ter organizado o vazamento para provocar "barulho" a respeito do álbum, que de todas as maneiras seria pirateado minutos depois do lançamento oficial.

No Line on the Horizon poderá ser comprado em cinco formatos e preços diferentes: CD standard, um pack com acesso a um filme, em formato magazine com o CD e uma revista de 64 páginas, uma caixa com CD, DVD, libro e cartaz, e por fim em vinil.

A estratégia comercial é reveladora da vontade da indústria fonográfica de diversificar as ofertas aos consumidores para superar a grave crise nas vendas dos CDs.

"Atualmente, os artistas respondem muito mais à demanda dos fãs. O novo credo é: "pague o que você quer", afirmou em janeiro à AFP Dominique Leguern, diretora do Mercado Internacional do Disco e Edição Musical (Midem).

O último álbum do Nine Inch Nails é um exemplo da tendência. O grupo americano, que lançou o álbum de forma independente, o disponibilizou em seu site oficial em diferentes formatos: download gratuito de nove das 36 músicas, cinco dólares para baixar as 36, US$ 10 por um CD duplo, 75 para um produto de luxo e 300 pela versão "ultraluxo" especial.

Segundo uma análise apresentada no Midem, o lucro chegou a 1,6 milhão de dólares em uma semana, e em 2008 este álbum ocupou o primeiro lugar nos downloads da Amazon, apesar da oferta de base ter sido gratuita.

A tese pode ser aplicada a No Line on the Horizon, apesar da piratería. "Não é porque baixei o álbum que não vou a uma loja comprar a compilação a 50 euros", afirmou um fã francês na internet.

Mas no fim das contas o que rende mais dinheiro aos artistas é o palco. O U2, que tem contrato com a empresa de shows Live Nation, deve anunciar em breve uma turnê.

Fonte: AFP/Terra

Vocalista do Cure, Robert Smith reclama de gravadoras e do Radiohead

Em entrevista ao jornal "The Times", o vocalista do Cure, Robert Smith, disse discordar "violentamente" do esquema criado pela banda britânica Radiohead em seu último disco de inéditas, "In Rainbows", lançado em outubro de 2007.

O álbum foi disponibilizado na Internet para que os fãs pudessem escolher o quanto gostariam de pagar por ele. Para Smith, isso não passa de uma "ideia idiota".

"Você não pode dar às pessoas o direito de decidir quanto vale o que você faz. A não ser que você pense que seu trabalho não valha nada, mas isso seria sem sentido", disparou o autor de hits como "In Between Days".

"Se ponho em minha música um valor que ninguém pode pagar, estou cometendo uma besteira. Mas essa idéia de o valor ser dado pelo consumidor é idiota. Não funciona", completou.

Além disso, para Smith, as gravadoras deveriam fazer mais para proteger os artistas dos downloads ilegais. "Seria cômico se não fosse trágico", reclama. "Há relutância dos selos em fazer algo, como se não reparassem o quanto os artistas sofrem. O artista não vende e o selo, por isso, acha que não tem que pagá-lo. Agora, os selos sempre estão ligados, de uma forma ou de outra, a alguma empresa proprietária de provedor de Internet. Isso chega a ser melancólico".

Fonte: Agência JB/Uol

Show com Rolling Stones salvou Metallica de terminar a banda

Após lançar o álbum ST. Anger em 2003, o Metallica se viu em crise. Lars Ulrich, baterista do grupo, chegou a dizer que já estava se preparando para um futuro "diferente" longe da banda. No entanto, uma apresentação como Rolling Stones, fez os integrantes permanecerem juntos.

"A grande reviravolta foi quando eles nos chamaram no verão de 2005 e nos convidaram para tocar em São Francisco", disse o músico ao site ContactMusic. "Não fazíamos nada desde o fim da turnê oito meses atrás. Aparecemos algumas horas antes do show, ninguém havia se visto por um bom tempo", completou.

Para Ulrich, o clima do show ajudou os integrantes a se preocupar somente com a música em si. "Não havia cinegrafistas, produtores, psiquiatras e nada disso. Eram somente quatro caras tocando e ensaiando", explicou.

"A gente não precisou sentar e falar sobre nossos sentimentos. Esse foi o tom que adotamos nos anos seguintes. Foi ótimo", disse.

Fonte: Terra

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

"Hippie", Daniela protesta por espaço às músicas do gueto


A apresentação de Daniela Mercury no trio Crocodilo, nesta segunda-feira no circuito Barra-Ondina do Carnaval de Salvador, foi marcada por um protesto enfático da cantora, que apareceu com um figurino semelhante ao movimento hippie, pedindo maior espaço para músicas do gueto e vindas das classes mais pobres.

Antes de iniciar as suas reivindicações, a cantora interpretou Alegria Alegria com uma batida mais pesada e chegou a colocar a cabeça entre as grades do trio e dizer: "libertem-se".

Em seguida, ela iniciou seu protesto. "Estou fazendo uma manifestação musical. As músicas vindas do gueto não são reconhecidas, não tem espaço na mídia. Eles têm músicas lindas, belas, maravilhosas, extraordinárias e renovadoras. Tanto quanto as atuais", disse.

"Está acontecendo um movimento lindo do pagode representando a música baiana. Na arte não tem que ter preconceito, tem que ter sensibilidade", disse Daniela, cantando durante sua fala trechos da canção Sou Favela, do grupo Parangolé.

A cantora seguiu com seu manifesto. "Trio em transe, a louca vai fazer uma canção, que fala bem disso... Ninguém é cachorro não. Todos têm de ser reverenciados".

Daniela Mercury trouxe músicas dos anos 60 e 70 na apresentação desta segunda-feira. Do tropicalismo, a Tim Maia, Raul Seixas e Jorge Benjor.

Na sua apresentação, ela cantou músicas como Dancing Days, sucesso das Frenéticas, País Tropical e Taj Mahal (Jorge Benjor), Sossego (Tim Maia) e Tropicália (Caetano Veloso).

Também foram lembrados os clássicos de Moraes Moreira feitos para o carnaval da Bahia, como Chão da Praça, Bloco do Prazer e Chame Gente.

Como convidadas, Daniela terá as cantoras Simone Sampaio e Paula Lima.

O encontro que ela tinha previsto com Gilberto Gil quase não aconteceu porque o cantor se atrasou para chegar à sua Varanda Elétrica. Quando ele chegou ao local, o trio de Daniela já estava alguns metros à frente.

Depois de pedidos de desculpas, ele recebeu um microfone do trio e os dois cantaram juntos Madalena, de Gilberto Gil. Ele fez uma performance empolgada que arrancou aplausos do público.

Em seguida, Daniela ainda sugeriu cantar Domingo no Parque com Gil, mas ele disse que não estava preparado. Em tom de brincadeira, ela afirmou: "vocês escrevem essas letras e depois não lembram mais, né?"

Por Celso Paiva e Vagner Magalhães
Foto: Antônio Reis
Fonte: Terra

Chiclete faz homenagem a Brown e arrasta multidão



O grupo Chiclete com Banana, com Bell Marques à frente, fez uma homenagem aos 30 anos de carreira de Carlinhos Brown no circuito Campo Grande do Carnaval de Salvador. Bell ressaltou a importância de Brown para a música baiana e disse que ele pode ser considerado como uma das principais cabeças da música nacional. » Veja fotos do Chiclete com Banana

O Chiclete é uma das bandas mais concorridas do Carnaval de Salvador e tem um público fiel. Em 2009, todos estão com um adesivo no braço, que imita uma tatuagem, escrito "Sou Chicleteiro".

O grupo completa 20 anos de folia neste ano. "Ficamos muito felizes em saber que somos tão queridos. Se tem Chiclete, estamos lá", disse Bell.

A apresentação esquentou a partir dos sucessos como Eu Vou Voar, Quero Chiclete, 100% Você e Chicleteiro Eu, Chicleteira Ela.

Bell ainda cantou Cadê Dalila?, de Carlinhos Brown, e sucesso na voz de Ivete Sangalo.

Por Vagner Magalhães
Foto: Vagner Magalhães
Fonte: Terra

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Carnaval de rua em Salvador reúne milhares de foliões

O carnaval de rua de Salvador mostra que merece o título de maior festa de rua do planeta. Milhares de foliões saíram atrás dos trios elétricos que atravessam a capital baiana.


Fonte: G1

Caetano faz dueto com Gil em trio do Psirico



Caetano Veloso, que não costuma marcar presença constante em cima de trios elétricos, surpreendeu o público no Circuito Barra-Ondina e fez um dueto com Gilberto Gil, na madrugada desta segunda-feira.

A dupla deu a canja quando o bloco que era comandado pela banda Psirico parou em frente ao Camarote Expresso 2222. Os dois cantaram a música Chuva, Suor e Cerveja, sucesso de Caetano. Gil tocou guitarra de dentro do seu camarote.

"Eu não sei cantar em trio", disse Caetano, com aparência tímida. O Psirico fez uma homenagem a Caetano no bloco Furacão.

O irreverente Márcio Victor apareceu com uma peruca encaracolada e uma camisa larga, relembrando os tempos do cantor, um dos ícones da música baiana, na época dos Doces Bárbaros, em que dividia os palcos com Gil, Maria Bethânia e Gal Costa.

Durante a passagem do bloco, Caetano apenas apreciou o som do Psirico pela Avenida Oceânica. Márcio Victor cantou sucessos antigos da banda como Toda Boa, um dos hits do Carnaval de 2008, e a mais nova música da banda: Cole na Corda.

Foto: Reinaldo Marques
Fonte: Terra

Música sobre ex-gay fica em 2º lugar em Sanremo

Canção, que diz que homossexualidade é uma "doença" que tem "cura", provocou protestos

A controvertida canção "Luca era gay", cuja letra, diz que o homossexualismo "se cura", como se fosse doença, o que provocou a ira de grupos homossexuais rendeu a seu cantor e autor, Povia, o segundo lugar na 59ª edição do festival Sanremo, vencida por Marco Carta, de 23 anos, com "La forza mia" (Minha força).

Marco Carta, nascido em Cagliari, capital da ilha de Sardenha, despontou para a fama no ano passado, ao ganhar o concurso musical "Amici", organizado pelo canal de televisão privado "Canale 5", do grupo do primeiro-ministro Silvio Berlusconi.

Carta, segundo os analistas do festival da canção italiano, conseguiu a vitória no final da noite passada graças ao voto majoritário emitido por telefone pelos jovens italianos, que acompanham sua curta, mas já vitoriosa carreira, pois seu único álbum até agora, "Ti rincontrero" ganhou um disco de platina.

A segunda colocada, "Luca era gay", pôs em pé de guerra grupos de ativistas homossexuais, que poucas horas antes de começar a final se manifestaram pelo centro de San Remo para protestar pelo que chamaram de "um novo ataque 'da sociedade' contra homossexuais, lésbicas e transexuais".

A canção fala de um jovem, Luca, que era homossexual, mas que "'se curou' e voltou a ser normal após se casar felizmente com uma mulher".

Fonte: Agência EFE/Igpop

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Em carreira solo, Tomate retorna ao Circuito Campo Grande

O cantor Tomate retornou ao circuito Campo Grande do Carnaval de Salvador, agora em carreira solo. No ano passado, ele se despediu no mesmo local do grupo Rapazolla.

O ponto alto de sua apresentação foi a música Balançaê, lançada para este Carnaval e que caiu no gosto do público.

Em seguida, cantou trechos do hino do Bahia e previu um ano glorioso para a equipe de Salvador. "Estamos voltando", disse. O Bahia disputa a segunda divisão do Campeonato Brasileiro neste ano.

No ano passado, Tomate deixou o Rapazolla nas mãos de Leandro Lopes, vencedor da primeira edição do programa "Ídolos". Empolgado, o cantor disse que iria cantar até acabar a voz.

O repertório incluiu ainda músicas do seu antigo grupo, como I Love You Baby e Coração.

"Faz dez anos que eu toco, não é brincadeira. Não sei o que faria se não fosse músico. Não adianta querer me tirar daqui. Nasci para balançar, para o Carnaval".

Foto: Edgar Souza/G1
Fonte: Terra

DJ Yves Larock leva música eletrônica para o carnaval de Salvador





Foto: Sandro Honorato/Agência Fred Pontes
Fonte: Terra

Ivete promete não tirar cobra da cabeça no Carnaval

A cantora Ivete Sangalo trouxe uma cobra sobre a cabeça em sua apresentação deste domingo no circuito Campo Grande do Carnaval de Salvador, em um modelo que faz referência a Cleópatra, rainha do Egito.

Com um vestido longo dourado, ela fez uma performance ao cantar a música Cadê Dalila?, uma das favoritas do público no Carnaval deste ano, sobre o trio Coruja.

Mais animada do que na apresentação de ontem, a cantora brincou com o público ao afirmar que não "vai tirar a cobra da cabeça neste Carnaval". "Dalila chegou. Gostaram da cobra?", perguntou.

Na apresentação de sábado, a cantora confessou que teve problemas intestinais durante a semana e que por isso estava um pouco debilitada, inclusive com perda de peso.

A cantora ainda cantou sucessos como Berimbau Metalizado e Levada Louca. Em cima do trio ela utilizou um trono e um guarda chuva laranja.

Depois da forte chuva que atingiu a manhã deste domingo em Salvador, o início da apresentação da cantora ocorreu com tempo seco.

Depois de 40 minutos de apresentação, Ivete recebeu Katê e Fredd, do grupo VoaDois. Juntos, cantaram Bota pra ferver.

"Esse pessoal é muito bom. Vamos cantar um pouco juntos. Eles são muito bons e vocês vão gostar", disse.

Por Celso Paiva e Vagner Magalhães
Foto: Antônio Reis
Fonte: Terra

Ivete Sangalo estreia Dalila na avenida


Atração mais esperada do dia no Circuito Dodô (Barra-Ondina), Ivete Sangalo estreou no Carnaval neste sábado, terceiro dia de folia em Salvador, à frente do seu bloco 'Cerveja & Cia' (veja as fotos). Vestida com um modelo branco esvoaçante, deu um beijo demorado no namorado Daniel Cady antes de subir no trio, e começou a maratona de agitar os foliões pela avenida, apostando sobretudo no seu hit 'Cadê Dalila?', composta por Carlinhos Brown e Alain Tavares.

Perto da musa alguns artistas marcavam presença, como os cantores Rogério Flausino, do Jota Quest, e Alexandre Pires, com a esposa Sara Lemos, e os atores Emílio Orcíolo Netto e Bruno Mazzeo, o José Henrique, da novela Beleza Pura. Nos próximos dias da folia, Ivete Sangalo vai puxar o bloco Curuja. Domingo e terça no circuito Osmar (Campo Grande) e segunda no circuito Dodô (Barra-Ondina).

Chiclete, Asa e Timbalada voltam - Antes de Dalila tomar conta da avenida, Tatau comandou o bloco 'Nu Outro'. Já o 'Rock e Novas Tendências', com Otto, Cidadão Instigado e Márcio Mello, não saiu.

Depois de Ivete Sangalo, foi a vez de o Chiclete com Banana voltar à avenida e arrastar outra multidão no bloco 'Nana Banana', com muitos fãs que seguem o grupo pelo país e a galera que curte na pipoca, fora da corda (veja a fotogaleria da apresentação). Em seguida, o Asa de Águia foi outro que se apresentou pela segunda vez, no 'Cocobambu'. Estreante no carnaval de Salvador, Latino cantou ao lado do Psirico no bloco Skol Folia, sendo mais um representante carioca na festa, depois de a funkeira Perla ser a convidada do bloco infantil Happy, liderada pela apresentadora Eliana, de manhã.

Por Mariana Mendes
Fotos Lúcio Távora
Fonte: A Tarde Online

Brown desfila no meio dos foliões em Camarote Andante



Depois de passar pelo camarote Expresso 2222 e cantar com Gilberto Gil e Emanuelle Junqueiro, Carlinhos Brown deu início a sua apresentação no circuito Barra-Ondina, neste sábado, jogando pétalas de rosas brancas no chão.

Ao contrário da grande maioria dos cantores do Carnaval de Salvador, ele dispensa o trio elétrico para fazer seu show no Camarote Andante, ou seja, o músico caminha entre os foliões na avenida Oceânica.

Desta vez, Brown vem acompanhado por um carro alegórico que trás um urso polar na frente, tudo para alertar o público sobre a questão do aquecimento global. Mais à frente, uma baleia produzida com centenas de garrafas pet recicladas.

Por Thaís Camargo
Foto: Reinaldo Marques
Fonte: Terra

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Michael Jackson pode fazer turnê por R$ 214 milhões

Michael Jackson estaria preparando uma série de 30 shows em Londres, no Reino Unido. O valor total que o cantor receberia pela seqüência de apresentações seria de 150 milhões de libras (cerca de R$ 214 milhões).

Segundo o tablóide britânico The Sun, o popstar, 50 anos, estaria em "conversas avançadas" com a produtora responsável pela O2 Arena para marcar os shows na capital inglesa. "É só uma conversa ainda, mas seria incrível caso se concretizasse", disse uma fonte ao jornal.

Com muitas dívidas e longe dos holofotes desde que foi acusado de molestar crianças quatro anos atrás, Michael faria esta série de shows em julho deste ano para arrecadar fundos. "Está é a última chance de ele acertar suas contas. Ele acha que o tempo já passo para o público esquecer seus escândalos", completou.

No ano passado, Michael Jackson foi notícia após rumores dizerem que o cantor faria um retorno em uma apresentação milionária em Bahrein. No entanto, o show nunca não aconteceu.

Fonte: Terra

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Com boneco gigante, chicleteiros invadem Barra-Ondina


Alguns problemas no caminhão do grupo Chiclete com Banana causaram um atraso de meia hora na apresentação da banda. Mas isso não deixou o grupo desanimado. Com um boneco gigante de Bell, vocalista da banda, o bloco Nana Banana, mais uma vez, tomou a Avenida Oceânica.

Antes de cantar, Bell pediu paz para os seguidores da banda. "Este Carnaval vai nos trazer alegria e energia contagiante de vocês aí de baixo. Se amem, se abracem, o momento vai ser de paz. Chicleteiros são guerreiros da alegria".

O Chiclete é uma das bandas mais concorridas do Carnaval de Salvador e tem um público muito fiel. Em 2009, todos estão com um adesivo no braço, que imita uma tatuagem, escrito "Sou Chicleteiro".

Fotos de Bell, cartazes que imitam um RG escrito sou chicleteira, além de pessoas fantasiadas de camaleão, um dos símbolos do grupo, são vistos entre os foliões.

A banda abriu a apresetação com a sua mais nova canção Flutuar. Bell nem precisou chegar perto do microfone. Ao som dos primeiros acordes, o público cuidou da cantoria.

Os chicleteiros fizeram o circuito tremer quando a banda tocou grandes sucessos do passado como Eu Vou Voar, Quero Chiclete, 100% Você e Chicleteiro Eu, Chicleteira Ela.

Bell ainda cantou músicas de outros cantores como Cadê Dalila?, de Ivete Sangalo, apontada como um dos hits deste Carnaval, Erva Venenosa, sucesso de Rita Lee, e Sonífera Ilha, do Titãs.

Por Celso Paiva
Fotos: Antonio Reis
Fonte: Terra

Com roupa transparente, Alinne Rosa inova em figurino




A cantora Alinne Rosa mostrou figurino ousado na primeira apresentação da banda Cheiro de Amor, no Circuito Barra-Ondina. Em cima do bloco Yes Bahia Clube, ela apareceu com um body transparente preto, rasgado em algumas partes do seu corpo, e com um fio-dental prateado por cima.

A roupa sensual rendeu elogios do apresentador Thierry Figueira, quando a loira passou na Avenida Oceânica. "Que figurino é esse? Belo figurino", afirmou o ator, arrancando risadas.

Em seguida, a vocalista da Cheiro de Amor dançou de forma sensual para o público que seguia o seu trio elétrico, cantando Cadê Dalila?, de Ivete Sangalo, música que é apontada como um dos possíveis hits deste ano.

Alinne Rosa ainda brincou com o seu trompetista, enquanto interpretava Kuduro, do cantor Fantasmão, música baseada no ritmo musical angolano, que vem fazendo sucesso no Brasil.

A inovação na roupa não é uma novidade nas apresentações da cantora no Carnaval baiano. Nas apresentações de 2008, Alinne apareceu com figurino de gueixa, com uma roupa espanhola e com uma vestimenta com asas, que ela batizou de "galinha preta".

A vocalista do Cheiro de Amor cantou sucessos antigos da banda como Ficar com você, Vai Sacudir, Vai Abalar e Esperando Na Janela.

Por Celso Paiva
Foto: Antônio Reis
Fonte: Terra

Em novo disco, U2 busca equilíbrio entre rock e eletrônica

A gravadora tentou evitar, mas o novo álbum do U2, "No Line On The Horizon", que será lançado no Brasil no dia 2 de março, caiu na rede a partir de um computador australiano anteontem e já bate recordes de downloads ilegais mundo afora.

O disco - 12º na carreira da banda - é uma clara tentativa de a banda se equilibrar entre a eletrônica que passou dos limites nos anos 90 e o rock de origem para o qual o grupo retornou nos dois últimos álbuns. O UOL participou de uma audição do álbum na tarde desta sexta-feira (20) na sede da Universal.

Antes do vazamento, "Get On Your Boots", o primeiro single do disco, lançado em janeiro, sintetiza com perfeição a busca da harmonia entre as duas partes. Se dançante, a música tem um irresistível riff de guitarra turbinado com efeitos, assim como o sempre potente baixo de Adam Clayton.

A bateria vem carregada de arranjos (des)polidos em estúdio, e prova que é possível fazer um rock dos bons para dançar. Tanto que o remix, feito pelos DJs italianos Phra e Bot (do Crookers), periga não ser tão bom quanto a versão original. Como primeiro single, a faixa perde de longe para os dois últimos ("Beautiful Day" e "Vertigo", respectivamente), mas foi sem dúvida formatada para colocar o disco na boca do povo.

A produção ficou a cargo de três amigos de longa data: Brian Eno, Daniel Lanois e Steve Lilywhite. Pela primeira vez na história do U2, as músicas não foram feitas somente pelos membros da banda, os mesmos desde que o grupo nasceu, em 1976, na Irlanda. Eno e Lanois co-assinam nada menos que oito das 11 músicas que estão no álbum, hábito frequente em discos de música eletrônica.

Em uma delas, "Moment of Surrender", é clara a intervenção de efeitos de Brian Eno. A música, com mais de sete minutos de duração, é conduzida por uma linha de baixo que serve de cama para efeitos e texturas de guitarra, resultando num clima mezzo épico que realça a voz de Bono Vox.

Como em discos do U2 em geral os vocais são gravados mais altos que outros elementos, é natural que Bono apareça mais. Na faixa-título, que abre o CD, um refrão cantarolado faz do vocalista - como se fosse preciso - o ponto principal, numa típica faixa do U2. A mesma grandiosidade quase messiânica está em "Magnificent", que inicia com efeitos típicos de produtores para logo receber a indefectível guitarra de The Edge. Lembra a várias fases do U2 em música só, de "The Unforgettable Fire" a "Where The Streets Have No Name", só para citar duas. Mérito que pode sair pela culatra se a música - uma das melhores do álbum - receber a alcunha de genérica.

Além do riff de "Get On Your Boots", a guitarra de The Edge aparece feroz em outras duas oportunidades. Em "Stand Up Comedy", uma levada funk rock anos 70 garante o peso não encontrado em outros cantos no CD. O belo solo não tira da música sua principal característica: fazer par com "Get On Your Boots" como irresistíveis para as pistas. Já "Breathe" é prima de "Magnificent", com a vantagem de a canção em si ser muito mais cativante. Com Larry Mullen Jr. implementando uma bateria fortíssima (outra característica em todo o álbum), uma boa base harmônica de guitarra e teclado, além de passagens vocais marcantes, a faixa tem vaga garantida no hall da fama das grandes canções do U2 em todos esses anos. Ambas são sérias candidatas a segundo single.

Se o grupo procura equilíbrio entre rock e eletrônica, não conseguiu o mesmo no quesito boas composições. "Fez - Being Born", uma junção de duas músicas que homenageia o local onde o disco teve sua fase embrionária, no Marrocos, destoa completamente, mesmo como o dedo dos produtores. O mesmo acontece com "Cedars Of Lebanon", que fecha o CD com Bono falando mais do que cantando - logo ele que canta melhor do que fala. "I'll Go Crazy If I Don't Go Crazy Tonight" é de uma simplicidade banal, e "White As Snow" pode até dar sono. O resultado é a irregularidade de um repertório apenas razoável.

No Brasil "No Line On The Horizon" chega às lojas em quarto formatos. O CD com um encarte de 24 páginas (R$ 34,90); digipack, com capinha de papelão e um encarte de 32 páginas, pôster e senha de acesso para o vídeo "Linear", de Anton Corbijn, na internet (R$ 44,90); edição limitada de revista + CD, com imagens e entrevista exclusiva, em 64 páginas (R$ 160); e um box com o álbum em digipack, o DVD com "Linear", um livro capa dura com 64 páginas e um pôster (R$ 390). Somadas a vendas antecipadas no Brasil, "No Line On The Horizon" já é disco de platina - 60 mil cópias.

Além disso, uma parceria entre a gravadora da banda e a Motorola garantiu a venda das músicas em quatro aparelhos da empresa em toda a América Latina, para clientes das operadoras TIM, Oi, Claro e Vivo. As músicas também podem ser adquiridas nos principais sites de venda da Internet.

Por Marcos Bragatto
Fonte: Uol

Festival de música eletrônica leva agito extra a Carnaval do Rio

Não é só na Sapucaí ou nos tradicionais blocos de rua que os cariocas e milhões de turistas que vão ao Rio poderão pular o Carnaval. Pela primeira vez, a capital fluminense recebe neste ano um grande evento voltado para a música eletrônica, especialmente nos estilos dance e house.

Até a próxima terça-feira (24), DJs brasileiros e estrangeiros que agitam boates e clubes do mundo inteiro se encontram no Rio Music Conference 2009. Nesta sexta-feira, quem comanda a pista é David Guetta, DJ francês que coleciona hits como "The World Is Mine" e "Love is Gone".

A programação de festas também inclui nomes brasileiros já consagrados como Gui Borato, que toca no sábado (21) com o DJ e produtor inglês Pete Tong.

No domingo, quem domina a cena é o excêntrico DJ alemão de techno Sven Väth. Na segunda, toca ArminVan Buuren, eleito DJ número 1 pela revista "DJ Mag" em 2008. Fecha o evento, na terça, Erick Morillo, que reina em Ibiza.

Todos eles serão acompanhados por nomes ascendentes na música eletrônica, ramo que, apesar de dominar as boates, ainda sofre preconceito na indústria fonográfica.

Mercado

A ideia dos organizadores em promover o evento no Rio é dar visibilidade ao gênero. A inspiração veio de Miami, nos Estados Unidos, que todo ano sedia o Winter Music Conference, que reúne 40 mil pessoas da cena eletrônica na cidade, entre DJs, produtores e empresários.

O evento americano calcula que a música eletrônica movimente no mundo US$ 3 bilhões, com festas, apresentações em eventos, venda de ingressos e promoções.

Para um dos organizadores do Rio Music Conference, Guilherme Borges, o Brasil tem tudo para entrar a fundo neste mercado. "Os maiores DJs do mundo de techno, dance e house já incluem o Brasil em sua rota de turnês. Alguns deles cobram US$ 70 mil de cachê, algo que os posiciona no mainstream da indústria", afirma Borges.

Para fomentar o mercado, o evento, que começou na quarta-feira (18), contou com palestras e workshops com representantes de peso das indústrias fonográfica e de entretenimento e do área de tecnologia, fundamental para o setor.

"As pessoas envolvidas com música eletrônica ficaram entusiasmadas em poder trocar cartão, algo que não tinham a oportunidade de fazer ainda", argumenta Borges.

Rio Music Conference

Quando: 18 a 24 de fevereiro
Onde: Marina da Glória (av. Infante D. Henrique, s/n Aterro do Flamengo, Glória, Rio de Janeiro, tel. 0/xx/21/2512-7019)
Quanto: passaporte para os cinco dias R$ 450 (masc.) e R$ 350 (fem.); por dia R$ 120 (masc.) e R$ 100 (fem.)
Classificação: entrada permitida para maiores de 18 anos
Onde comprar: www.ingressorapido.com.br e www.ingressocerto.com.br

Fonte: Folha Online

Backstreet Boys volta ao Brasil depois de oito anos

Grupo tem shows marcados em São Paulo e no Rio de Janeiro em março

Brian Thomas Littrell está definitivamente muito animado com o seu retorno ao Brasil, após cerca de oito anos da primeira apresentação da famosa boy band no Maracanã, no Rio, e no Anhembi, em São Paulo. “Avise todo mundo que ‘Backstreet is back, alright!’”, entoou com o típico gritinho, ao final da entrevista realizada por telefone nesta quarta-feira.

A turma de garotos que arrancou suspiros das adolescentes na década de 90 envelheceu, mas parece continuar com a mesma energia da época que alcançaram o estrelato. Apesar da pausa de cinco anos sem lançarem novos álbuns, entre 2000 e 2005, e do anúncio da saída de Kevin Scott Richardson em 2006, os Backstreet Boys (para os íntimos apenas BSB) não esmoreceram e vêm mostrar por que são uma das bandas mais duradouras e rentáveis da indústria de garotos bonitos que cantam e dançam.

O show, que vêm apresentar no dia 5 de março no estacionamento do Credicard Hall, e no dia 7 no Citibank Hall do Rio, faz parte da turnê do álbum Unbreakable (2007), que teve início em fevereiro do ano passado no Japão. Quando negociavam os países onde iriam realizar as apresentações, Brian conta que o quarteto fez questão de encaixar a América do Sul, região pela qual sempre nutriram um grande carinho.

“Nós amamos o Brasil, os fãs são realmente loucos por aí. Não medem esforços para nos seguir pelas ruas, no hotel, no aeroporto. É ótimo! E é bem diferente do que acontece em outros países, que têm uma outra maneira de nos receber.”

Fonte: Agência Estado/Igpop

Ex-vocalista do INXS está morando em caminhonete

Escolhido em reality show, JD Fortune agora está sem emprego e sem casa

Imagine que você é um cantor. Um dia, decide participar de um reality show. Vence o programa e é escolhido para ser o novo vocalista do INXS. Entra em turnê com a banda e faz shows para públicos de até 80 mil pessoas. A sua vida está ganha, certo?

Não foi bem assim para JD Fortune. O cantor realmente foi escolhido para assumir os vocais do INXS. Mas, pouco mais de um ano após seu último show com o grupo, ele está desempregado e não tem onde morar. Tem que viver numa caminhonete.

Ele contou ao jornal canadense The Star que, após o fim da turnê, ele foi deixado sozinho no aeroporto de Hong Kong, na China, e os demais integrantes do INXS nunca mais falaram com ele. "Eles simplesmente me deram um aperto de mão e falaram muito obrigado", disse.

A explicação para o abandono? É que, depois que entrou no grupo, Fortune viciou-se em cocaína. O vocalista anterior do INXS, Michael Hutchence, que se matou em 1997, também era viciado na droga.

Agora, Fortune garante que abandonou a cocaína e está pronto para voltar a cantar. Seu objetivo é arranjar dinheiro para terminar seu primeiro disco solo. Com o INXS, pelo jeito, a parceira acabou de vez.

Fonte: Igpop

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Asa de Águia e Cocobambu estreiam na folia 2009



O bloco Cocobambu, puxado pela banda Asa de Águia, faz sua estreia na folia 2009, no circuito Barra-Ondina, na noite desta quinta-feira, dia 19. Durval Lélis, vocalista do Asa comanda a animação dos foliões do bloco, formado basicamente por gente jovem.


Foto: Lúcio Távora
Fonte: A TARDE On Line

Timbalada estreia no Nana cantando sucesso de Brown

A quinta atração desta quinta-feira de Carnaval, dia 19 no Circuito Dodô (Barra-Ondina) é o bloco Nana Banana, que este ano traz pela primeira vez a banda Timbalada. Liderado pelo vocalista Denny, o grupo aquece o bloco cantando "Leva a Levada No Timbal", de Carlinhos Brown, e "Chuva de Flores", atual música de trabalho.

Além do Nana Banana, bloco alternativo do Chiclete com Banana, o grupo vai puxar o bloco da Timbalada na sexta e sábado, 20 e 21, e o bloco Timba Beats, na terça-feira, 24, com o convidado DJ Memê, todos no circuito Dodô.

O Nana Banana desfila durante três dias na avenida. Na sexta e no sábado, quem puxa o bloco é o Chiclete com Banana.

Por Mariana Mendes
Foto: Sebastião Bisneto
Fonte: A TARDE On Line

Claudia Leitte embala os foliões no primeiro dia do Carnaval


Claudia Leitte, uma das estrelas mais esperadas do Carnaval, embala os foliões ao som de antigos sucessos da folia baiana. A cantora também já deixou o recado que este ano os foliões devem "Beijar na Boca", nome da sua música de trabalho.

Nesta primeira noite da folia, puxando o bloco Eu Vou, a cantora está vestida em uma fantasia verde em homenagem a Copacabana, uma das praias brasileiras mais conhecidas.

A boa forma da artista também não passa despercebida. Após a gravidez, ela perdeu 11kg. A cantora esbanjou o corpo definido no Ensaio Geral do Chiclete com Banana, em Praia do Forte, no último sábado, 14. Nesta sexta, 20, faz um mês que a cantora deu à luz a seu primeiro filho, Davi.

Esse também é o primeiro ano que Claudinha se apresenta no Carnaval após a carreira solo. No ano passado ela era a vocalista do grupo Babado Novo e liderava o bloco Papa, que esse ano terá a frente o cantor Tomate.

Claudia Leitte ainda se apresenta no domingo, 22, no bloco Internacionais, circuito Osmar (Campo Grande) e na segunda e terça-feiras, 23 e 24, no Bloco da Barra, no circuito Dodô (Barra-Ondina).

Por Mariana Mendes
Foto: Eduardo Martins
Fonte: A TARDE On Line