quinta-feira, 1 de novembro de 2012

"Thriller", de Michael Jackson completa três décadas


Trinta, mas com corpinho de 20. Três décadas após o lançamento, "Thriller" de Michael Jackson continua mais jovem do que nunca. Depois dele, a indústria da música nunca mais seria a mesma. Considerado uma pérola da cultura pop, é o álbum mais vendido do planeta, mais de 170 milhões de cópias. Certamente, também é o mais ouvido.

Infeliz e inconformado, apesar do desempenho de seu disco anterior, "Off The Wall", de 1979, que até então havia vendido 20 milhões de cópias em todo o mundo, Michael queria mais, muito mais. E conseguiu. Logo após o lançamento, em 30 de novembro de 1983, "Thriller" abocanhou o dobro: 40 milhões de discos comercializados, disparando nas listas dos mais vendidos.

“Vendia um milhão de cópias por semana durante a primeira metade de 1983”, escreve o editor musical da publicação londrina "Time Out", John Lewis, no livro "1001 Discos Para Ouvir Antes de Morrer" (Editora Sextante).

Misturando diferentes sonoridades, como soul, pop, rock, R&B, gritinhos hipercinéticos e um jeito todo único de dançar, em que usa mais os pés, Michael Jackson, com "Thriller", elevou-se a condição de maior pop star de todos os tempos. Virou mania. Por todos os cantos alguém o imitava.



Em "Thriller", segundo Lewis, não há uma única nota fora do lugar. “É um pop refinado ao limite, durante meses, por magos do estúdio usando os melhores músicos e a melhor tecnologia.” Um exemplo da superprodução dedicada ao álbum é a faixa "Beat It". Um funk-rock envolvente, com solo de Eddie Van Halen, da banda Van Halen, montada a partir de 50 gravações.

Impossível também não citar "Billie Jean". Apesar da letra extremamente tosca, é um dos maiores sucessos do disco. Mais ou menos, o fato é que todas as faixas foram sucesso de público e de crítica. O disco impressionou até o virtuose do jazz, Miles Davis, que regravou anos depois a balada "Human Nature". 

Para o bem e para o mal, no talento e nas bizarrices, os superlativos na vida e na obra de Michael Jackson, a partir de "Thriller", tornaram-se uma constante. O álbum levou nada mais nada menos que sete prêmios Grammy, em 1984, e teve a vendagem recorde destacada no "Guinness Book".

Poucos meses depois do lançamento do disco, a faixa-título foi parar no primeiro clipe de 14 minutos da história da música. Esnobe (e milionário) como nunca, Michael, com um orçamento de mais de meio milhão de dólares, chamou o diretor de Hollywood, John Landis ("Um Lobisomem Americano em Londres"). O diretor ampliou em alguns decibéis o sucesso de "Thriller" com uma caricatura dos filmes de zumbi que pipocavam na época.

A MTV também virou de cabeça para baixo. Michael foi o primeiro negro a ter destaque no canal. “Para atender a demanda, ia ao ar duas vezes por hora”, conta a jornalista de música Gerry Kiernan, no recém-lançado "1001 Músicas Para Ouvir Antes de Morrer" (Editora Sextante).

Não deu outra, o clipe foi classificado pelo Guinness como o de maior sucesso de todos os tempos. “O casamento do tema pegajoso com efeitos kitsch era coroado com um rap do veterano dos filmes de horror Vincent Price”, acrescenta a jornalista.

Infelizmente, não muito depois, o artista entrou numa montanha-russa de problemas, com processos por acusação de abuso infantil e polêmicas devido às transformações na aparência, imbróglios que se estenderam até a morte polêmica e controversa, em 2009.

Por Carlos Minuano
Do UOL, em São Paulo

Nenhum comentário: